16/09/2014 18:20
16/09/2014 15:44
16/09/2014 11:52

INVESTIGADOR CRIA SISTEMA QUE TRANSFORMA MÚSICAS EM ACORDES
José Pedro Magalhães, português a trabalhar em Oxford, desenvolveu um software capaz de transformar músicas em acordes. O Chordify disponibiliza diagramas para piano, guitarra e ukulele.

Agora já poderás tocar todas as tuas músicas preferidas em casa. A plataforma Chordify permite transformar músicas (em mp3 ou do Youtube, por exemplo) em acordes. A criação tem a assinatura de um português: José Pedro Magalhães, ex-aluno da Universidade do Minho a trabalhar atualmente na Universidade de Oxford.

«Extração automática de acordes é um tópico de investigação há vários anos na comunidade científica», explica o engenheiro informático ao Canal Superior, acrescentando que a ideia «foi alargar isto à comunidade não científica», através da criação de um «serviço online atraente e conveniente».

A plataforma, a funcionar há cerca de um ano, «reconhece acordes que podem ser tocados em qualquer instrumento» e dirige-se, sobretudo, a iniciantes, uma vez que «qualquer músico minimamente avançado no seu instrumento sabe tocar acordes sem necessitar de diagramas».

Atualmente, o tema mais popular é «Wherever you are», dos australianos Seconds of Summer. No entanto, qualquer música é passível de ser transcrita para piano, viola e ukulele.

«O serviço funciona para qualquer canção, por mais obscura que seja. E essa é a grande vantagem, pois outros sites constroem bases de dados de acordes manualmente, tendo apenas os artistas famosos», explica o coautor da plataforma.

O modelo de negócio da start-up Chordify tem como base os anúncios não intrusivos e as funções adicionais a baixo custo, como o descarregamento de ficheiros PDF ou MIDI. No futuro, José Pedro Magalhães pretende desenvolver um conjunto de novas funcionalidades, tais como a transposição de acordes e desativação da publicidade a troco de uma «modesta quantia mensal».

Em breve, estarão disponíveis as aplicações para iOS e Android. «Num futuro mais distante», afirma o investigador, esperam «possibilitar a correção dos acordes de uma forma colaborativa, tipo Wikipedia».

POR SARA MARQUES MOREIRA 22/11/2013 14:57
ESTE ARTIGO FOI ESCRITO AO ABRIGO DO NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO